Attention to the emergency room with emphasis on pre-hospital care: integrative review

B. S. Santos, S. R. O. Maier, W. O. Souza

Resumo


The study aims to identify the factors, which influence positively and negatively the implementation of public policies geared to the needs in scope of mobile, found in the publications of brazilian researchers since the implementation of the National Policy of Attention to the Emergency room in Brazil. This is a study of Integrative Literature Review. Composing the basis of methodology, have been used official documents to guide the findings that comprised the conceptual bases of the study and to guide the Integrative Review were used publications that report on the issue in question respecting all steps of the protocol review. The results show the changes in the organizational structure of the Service Mobile Emergency, given the regionalization as something positive for the growth of this service modality and discuss prematurely early articulation between the sectors that make up the public health system in Brazil. In conclusion, the policies of attention to the urgencies, in particular within mobile, have favored beneficially all of the users who require this type of care, in the meantime, make the necessary reflections about this theme in the attempt of a better understanding of the regionalization process and coordination among the municipalities that will offer the mobile care so as to ensure continuity of care through the mechanisms of reference and counter-reference.

Palavras-chave


Policy, Urgency, Brazil

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALMOYNA M. M; NITSCHKE C. A. S. Regulação médica dos serviços de atendimento médico de urgência – SAMU. Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, Florianópolis: 1999.

AZEVEDO, T. M. V. E. Atendimento pré-hospitalar na prefeitura do município de São Paulo: análise do processo de capacitação das equipes multiprofissionais fundamentada na promoção da saúde. 2002. 98f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade de São Paulo - escola de Enfermagem. São Paulo, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 824/GM de 24 de junho de 1999: Normatização do Atendimento Pré-hospitalar. Brasília, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. A normatização dos serviços de atendimento pré-hospitalar móvel. Brasília – DF, 2001a. Disponível em: . Acessado em: 14/10/2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 737 de 16 de maio de 2001. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências. Brasília, 2001b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 814/GM de 01 de junho de 2001. Estabelece o conceito geral, os princípios e as diretrizes da Regulação Médica das Urgências. Brasília, 2001c.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM / MS nº 2.048, de 05 de novembro de 2002. Dispõe sobre a regulamentação do atendimento de urgência e emergência. Brasília, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1863/GM de 29, setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas. Brasília: 2003a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 1864/GM de 29 de setembro de 2003. Institui o componente pré hospitalar móvel da Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, 2003b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília – DF, 2003c. Disponível em: . Acessado em: 18/10/2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 2971 de 08 Dezembro de 2008. Institui o veículo motocicleta – motolância como integrante da frota de intervenção do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em toda a Rede SAMU 192 e define critérios técnicos para sua utilização. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 2.026 Agosto de 2011. Aprova as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação Médica das Urgências. Brasília, 2011.

CIOFFI, J. A. study of the use of past experiences in clinical decision making in emergency situations. International Journal of Nursing Studies. Austrália, n.38, p.591-9, 2001.

DANTAS, R. C; SEIXAS, A. Z. Ressuscitação pré hospitalar. Revista da Sociedade de Cardiologia, São Paulo, v.8, n.4. p.842-5, jun./ago., 1998.

DE NEGRI FILHO, A. et al. Bases para uma política nacional de atenção às emergências. In. IV Congresso Internacional da Rede Brasileira de Cooperação em Emergência: relatório de oficina. Goiânia, 2000.

FERNANDES R. J. Caracterização da atenção pré-hospitalar móvel da Secretaria da Saúde do município de Ribeirão Preto-SP. 2004. 92f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP, Ribeirão Preto: 2004.

FERREIRA, C. S. W. Os serviços de assistência às emergências no município de São Paulo: implantação de um Sistema de atendimento pré-hospitalar. 199. 82f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Medicina/Universidade de São Paulo, 1999.

FONSECA, S. C. Atendimento pré hospitalar: exige coragem e treinamento constante. Revista do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, São Paulo, n.43, p.2-3, jan./fev. 2003.

GMUR. WTISAUDE. A Hora de ouro e o tempo resposta. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. de 2012.

KAYSER, C. P; PELISSARI, D. P; BERNARDI, K. S; BENEDIX, M. Vivenciando momentos de estresse: uma experiência de assistência de enfermagem junto ao indivíduo e família em situações de emergência. 1995.101f. Monografia (Graduação em Enfermagem) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1995.

LEAL, K. R. Adesão do uso de equipamento de proteção individual (EPI), previamente, às exposições ao material biológico em profissionais do corpo de bombeiros de Sinop-MT. 2011.65F. Monografia (Graduação em Enfermagem) - Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop, 2011.

LEAL, K. R.; BOFF, T. R.; OLIVEIRA, S.R.; CUNHA, A. N.; ANDRADE, L. M.S.; SILVA, G. A. O atendimento pré-hospitalar na região norte de Mato Grosso: uma abordagem histórica. Revista Enfermagem Prática, São Paulo, ano 6, n.22, Março/Abril de 2012.

LOPES, S.L. B; FERNANDES, R.J. Uma breve revisão sobre o atendimento médico pré-hospitalar. Revista de Medicina, Ribeirão Preto, n. 32, p.381-387, out/dez, 1999.

MACHADO, C. V; SALVADOR, F. G. F; O'DWYER, G. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira.Rev. Saúde Pública [online], vol.45, n.3, p. 519-528. Epub Apr 15, 2011. Disponível em: Acesso em: 18/10/2013.

MARTINS, P. P. S. Atendimento pré-hospitalar: atribuição e responsabilidade de quem? Uma reflexão crítica a partir do serviço do corpo de bombeiros e das políticas de saúde “para” o Brasil à luz da filosofia da práxis. 2004. 264f. Dissertação (Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – Junho, 2004.

MEIRA, M. M. Diretrizes para a educação permanente no serviço de atendimento móvel de urgência(SAMU). [Mestrado]. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2007.

MINAYO, M. C. S; DESLANDES, S. F. Análise da implantação do sistema de atendimento pré-hospitalar móvel em cinco capitais brasileiras.Cad. Saúde Pública [online], vol.24, n.8, p. 1877-1886, 2008. Disponível em: Acesso em: 18/10/2013.

NITSCHIKE, C.A. (Org.) Governo de Estado de Santa Catarina. Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina. Serviço de atendimento móvel de urgência: SAMU – 192. Editora do Governo do Estado de Santa Catarina, Florianópolis: 2003.

OLIVEIRA, B. F. M; PAROLIN, M. K. F; TEIXEIRA JÚNIOR, E. V. Trauma: atendimento pré-hospitalar. São Paulo: Atheneu, p. 306, 2002.

PAZ, C. D. O treinamento e desenvolvimento como perspectiva estratégica para o atendimento pré-hospitalar: o caso sos unimed Florianópolis. 2003. 98f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Centro de Ciências da Administração-ESAG, Universidade do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, 2003.

PAVELQUEIRES, S. Educação continuada de enfermeiros no atendimento inicial à vítima de traumatismos. 1997. 149f. Tese (Mestrado em Enfermagem Fundamental) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1997.

PIRES, D. Hegemonia médica na saúde e a enfermagem. Editora: Cortez. São Paulo: 1989.

POLIGNANO, M. V. Histórias das Políticas de Saúde no Brasil. Minas Gerais, 2005. Disponível em: Acessado em: 20/10/2013.

RAMOS, V. O; SANNA, M. C. A inserção da enfermeira no atendimento pré-hospitalar: histórico e perspectivas atuais. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.58, n.3, maio/julho 2005.

SANTOS, C. C. M; SANTOS, JÚNIOR., J. C. M. Trauma. A doença do Século XXI. In: FREIRE, E. (Ed.). Trauma: a doença do século. São Paulo. Atheneu, p.485-89, 2001.

SILVA, C. R. O. Metodologia e Organização do projeto de pesquisa (GUIA PRÁTICO). Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará. Fortaleza – CE, 2004. Disponível em: < http://www.ufop.br/demet/metodologia.pdf>. Acessado em: 12/10/2013.

SILVA, G. B. S. Enfermagem profissional: análise crítica. 2ª edição. São Paulo: Editora Cortez, 1989.

SILVA, E. A. C; TIPPLE, A. F. V; SOUZA, J. T; BRASIL, V. V. Aspectos históricos da implantação de um serviço de atendimento pré-hospitalar. Rev Eletr Enfer. v.12. p. 571-577. 2010.Disponível em: . Acessado em: 18/10/2013.

SCHELEMPER, J. R. Atendimento pré-hospitalar e transferência inter - hospitalar de urgência e emergência em Santa Catarina: diagnóstico, normatização técnica e orientação ética. 2ª edição. Florianópolis: Editora CREMESC, 2000.

SOARES, L; ALMEIDA, R; GONÇALVES, V. Manual do curso de Atendimento avançado em emergência para o enfermeiro. São Paulo. Secretaria do Estado da Saúde, p. 132, 1996.

VALENTIM, M. R.S; SANTOS, M. R. S. C. Políticas de Saúde em Emergência e a Enfermagem. Rev. Enferm. UERJ. v.17. p. 285-9. 2009. Disponível em: Acesso em: 10/10/2013.


Apontamentos