Techno-economic analysis in a superstructure of a multiple floors building (three, five, seven and nine floors) in reinforced concrete and ribbed slabs with rectangular form and different compressive strength values

E. F. S. Moraes, S. F. S. Moraes, M. J. Hillesheim

Resumo


Adapting “fck" values between 25 MPa to 40 MPa, in three, five, seven and nine floor buildings for places under winds of up to 30 m/s, this research calculated the cost and inputs of these variations. The results have as a goal to improve multiple floors building design in reinforced concrete and ribbed slabs, and to contribute to economic gains. The results were analysed in five stages. (I) Architectural design definition in a 1:1 proportion, (II) structural conception, (III) structural design, (IV) cost composition and (V) techno economic parameters. To sum up, the results showed that lower “fck” has presented more viability to few flooring. In addition, with the increase of floors also the “fck” raised, causing higher cost around 16,54% in the beams and 11,16% in the slabs. Moreover, the pillars showed a saving of 28,89% in the cost, ranging by up to 11,93% in the average thickness and 6,29% in the concrete form expenditure per m³. Therefore, the research showed an economic achievement of 5,14% in the overall cost between the number of floor.

Palavras-chave


Structural conception, ‘waffle’ cube design, input.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVA, G. M. S. Concepção Estrutural de Edifícios Em Concreto Armado. Santa Maria, Maio 2007. 24.

ARAÚJO, J. M. D. Curso de Concreto Armado. 3ª. ed. Rio grande: Dunas, v. 1, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120. Cargas para o cálculo de estruturas de edificações, Rio de Janeiro, 1980. 5.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações, Rio de Janeiro, 1988. 66.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7480. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado, Rio de janeiro, 1996. 7.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681. Ações e segurança nas estruturas - Procedimento, Rio de Janeiro, 2003. 15.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14931. Execução de estruturas de concreto - Procedimento, 2004. 53.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118. Projeto de estruturas de concreto - Procedimento, Rio de Janeiro, 2014.

BARBOZA, M. R. Concepção e análise de estruturas de edifícios em concreto armado. Bauru 2008. 161.

BASTOS, P. S. D. S. Fundamentos do concreto armado. Bauru, Agosto 2006. 92.

BASTOS, P. S. D. S. Fundamentos do concreto armado. Bauru, Março 2006. 28.

CARVALHO, J. D. N. Sobre as origens e desenvolvimento do concreto. Revista tecnológica, v.17, 2008.

GIONGO, J. S. Concreto Armado: Introdução e propriedade dos materiais. São Carlos, Março 2007. 71.

GIONGO, J. S. Concreto armado: projeto estrutural de edifícios. São Carlos, Fevereiro 2007. 184.

MONCAYO, W. J. Z. Análise de segunda ordem global em edifícios com estrutura de concreto armado. EESC-USP. São Carlos, 2011. 221.

PINHEIRO, L. M. Fundamentos do concreto e projeto de edifícios. São Carlos, Maio 2007.

OLIVEIRA, A.; VENÂNCIO P. Contabilidade de custos. curso em PDF, ICMS – SP.

RIBEIRO, J. F. Estabilidade global de edifícios: análise dos efeitos de segunda ordem nas estruturas de concreto. Porto Alegre, dezembro 2010. 81.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.