Men’s expressions of health care and the assistance generated from educational health actions

T. G. Santos, M. L. Botelho, A. M. N. Silva

Resumo


In 2008, the Ministry of Health presented the National Policy for Integral Attention to Men's Health, having the development of educational activities as one of its guidelines. These activities are inserted as a means for establishing a satisfactory relationship between nurse and user in order to make them aware about the health-disease and somehow contribute on spotlighting them as the subject of transformation. This study aimed at analyzing the men’s expressions of health care and the assistance from an educational intervention carried out in a unit of the Family Health in Sinop-MT. This is a qualitative, exploratory, descriptive of applied studies. The Thematic Content Analysis was used. The present project is linked to the research approved by the Ethics Committee/opinion number 568.938/2014. A deficit on the knowledge about the health theme approached was revealed. The habits/lifestyles are not set as health promoters. The “invulnerability” to diseases, the actions of health care seen as only directed to women and labor issues, influenced the search of the service, resulting in a feeling that they do not belong to it. Health Education is built as a tool for the introduction of men in the services, beside producing individuals who are knowledge holders and health promoters


Palavras-chave


Active methodology. Health Education. Men's health. Nursing

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. G.et al. Saúde do homem: ações e serviços na estratégia saúde da família. Revista enfermagem UFPE online, Recife, 8 (2):264-71, 2014.

BARROS, C. R.et al.Implementação de programa estruturado de hábitos de vida saudáveis para redução de risco cardiometabólico.ArqBrasEndocrinolMetab, São Paulo, 57 (1):7-18, 2013.

BASTABLE, S. B. O enfermeiro como educador, princípios de ensino. Aprendizagem para as práticas de Enfermagem. Porto Alegre: Artmed, 2010.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (Princípios e Diretrizes). Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de dezembro de 2012 do Conselho Nacional de Saúde/MS Sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 2013.

COUTO, M.T.et al.Men in primary healthcare: discussing (in)visibility based on gender perspectives. Interface – Comunic., Saúde, Educ., Botucatu,14(33):257-70,2010.

GOMES, R.et al. Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro,16:983-92, 2011.

LEAL, R. B. Planejamento de ensino: peculiaridades significativas. Revista Iberoamericana de Educaçión, Fortaleza, 37(3):1-7,2007.

LEITE, M. M. J.; PRADO, C.; PERES, H. C. Educação em saúde: desafios para uma prática inovadora. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2010.

MACHIN, R. et al. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Ciência e Saúde, São Paulo, 16(11):4503-12, 2011.

MELO, M. C. H.; CRUZ, G. C. Roda de conversa: uma proposta metodológica para a construção de um espaço de diálogo no ensino médio. Imagens da Educação, Maringá, 4(2):31-39, 2014.

MINAYO, M. C. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa. São Paulo: Hucitec, 2010.

SEPARAVICH, M. A.; CANESQUI, A. M. Men’s health and masculinities in the Brazilian Comprehensive Healthcare Policy for Men: a bibliographical review. Saúde soc., São Paulo,22(2):108 - 20, 2013.

SILVA, I. de J.et al. Cuidado, autocuidado e cuidado de si: uma compreensão paradigmática para o cuidado de enfermagem. Ver. esc. enferm. USP, São Paulo, 43(3):697-103, 2009.

SILVA, P. A.S.et al. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde.Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, 16(3):561-568, 2012.

SOUZA, A. C. et al. A educação em saúde com grupos na comunidade, uma estratégia facilitadora para a promoção de saúde. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, 26(2):147-53, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.