Mental disorder affects the laboral insertion and the informal sector?

M. M. F Léo, T. M. R. Kuffel, A. C. Rosa, A. R. F. Furegato

Resumo


The study characterized the insertion in the labor market, scholar degree and economic status of people with mental disorders. It is a descriptive cross-sectional study, conducted in 2014, in two open psychosocial care services in Mato  Grosso. A structured questionnaire with demographic data and school/ work functioning during the years of mental disorderwas applied in a random sample of 73 patients (universe = 300). Of the 61 (83.6%) who worked before the mental disorder, 26 (35.6%) are still active. There was a decrease of 38.5% in formality with informality rise. Licenses (19.0%) and pensions (28.6%) were prevalent male, and 57.1% of absences are related to mental disorder. Unemployment reached 37%, especially those over 55 years (41.7%). Mental disorder damagescause exclusion from the labor market, increasing informality, affectssocial pension and reinforce the vulnerability of this population, constituting topic to be included in the nursing SingularTherapeutic Project.


Palavras-chave


Rehabilitation, Labor, Mental illness, Psychiatric Nursing

Texto completo:

PDF

Referências


Santos EG, Siqueira MM. Prevalência dos transtornos mentais na população adulta brasileira: uma revisão sistemática de 1997 a 2009. J Bras Psiquiatr. 2010; 59 (3): 238-246.

World Health Organization (WHO). International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) [Acesso 2012 Set 20] Disponívelem: http://www.who.int/classifications/icf/en/.

Alverga AR, Dimenstein M. A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface Comunic Saúde Educ. 2006;10(20):299-316.

Sadock BJ, Sadock VA. Compêndio de Psiquiatria.Porto Alegre (RS): Artmed; 2012.

Lussi IAO, Pereira MAO, Pereira Junior A. A proposta de reabilitação psicossocial de Saraceno: um modelo de auto-organização? Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2006 Mai-Jun; 14 (3): 448-456.

Lussi IAO, Pereira MAO. Empresa social e economia solidária: perspectivas no campo da inserção laboral de portadores de transtorno mental. RevEscEnferm USP. 2011; 45 (2): 515-21.

Rodrigues CGSS, Jardim VMR, Kantorski LP,Cortes JM, Antonacci, MH, Nunes, CK. Habilidades de vida independente de sujeitos em sofrimento psíquico: revisão integrativa. Rev. enferm. UFPE. 2014 Maio; 8 (5): 1364-71.

Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica, n. 34. Brasília (DF): MS; 2013.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil (CCEB): Dados com base no Levantamento Sócio Econômico 2010 [Acesso 2012 Ago 20] Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=301.

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Mercado de trabalho: conjuntura e análise. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília (DF): Ipea, 1 (0), 2014.

Oliveira GF, Carreiro GSP, Ferreira Filha MO, Lazarte R, Vianna RPT. Risco para depressão, ansiedade e alcoolismo entre trabalhadores informais. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2010 Abr-Jun; 12 (2): 272-277.

Silva-Junior JS. Afastamento do trabalho por transtornos mentais e fatores associados: um estudo de caso-controle entre trabalhadores segurados da Previdência Social [Dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo. Programa de Pós Graduação em Saúde Pública; 2012.

Pinheiro L R S, Monteiro J K. Refletindo sobre desemprego e agravos à saúde mental. Cad. psicol. soc. trab. 2007 Dez;10 (2): 35-45.

Carrasqueira FA, Barbarini N. Psicodinâmica do trabalho: Uma reflexão acerca do sofrimento mental nas organizações. Jornada de Saúde Mental e Psicanálise da PUCPR. 2010 Nov; 5 (1):279-293.

Mendes AMB, Merlo ÁRC. Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. 2009; 12(2): 141-156.

Denardin Budó ML, Gonzales RMB, Beck CLC. Salud y trabajo: uma correlación de conceptos desde la perspectiva de una población rural y de Christophe Dejours. Rev Gaúcha Enferm. 2003 Abr; 24 (1): 43.

Ludermir AB. Associação dos transtornos mentais comuns com a informalidade das relações de trabalho. J BrasPsiquiatr. 2005; 54 (3): 198-204.

Vasconcelos EM. Empoderamento de usuários e familiares em saúde mental e em pesquisa avaliativa/interventiva: uma breve comparação entre a tradição anglo-saxônica e a experiência brasileira. Ciênc. saúde coletiva. 2013 Out; 18 (10): 2825-2835.

Soalheiro NI. Política e empoderamento de usuários e familiares no contexto brasileiro do movimento pela reforma psiquiátrica. Cad. Bras. Saúde Mental. 2012 Jan-Jun; 4 (8): 30-44.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.