Quality of life at work: a study of workers in the metalworking industry in the Midwest of Santa Catarina

G. Lunardelli, E. F. Souza, T. M. S. N. Nodari

Resumo


This study aimed to evaluate the quality of life of workers in the metalworking industry in the middle west of Santa Catarina. Therefore, we opted for a qualitative approach to know the aspects that guide and characterize female employment in the labor market, and was carried out a survey to know the reality faced by this group. It is important to emphasize the importance of companies adopt different methods and practices to adapt the working environment and conditions provide rights similar to those of men. Thus, the article addressed the inclusion of women in the workplace, treating the historical context of the feminization of the labor market, the gender division and inequality between genders in this sector. Still, women's insertion in the mechanical metal sector in the middle West Santa Catarina region was analyzed, and the preservation of their rights and appreciation while working. Although women have gained greater participation within organizations, they face wage differences, behavioral and quality of life that need to be better studied.


Palavras-chave


Quality of life, woman, metal-mechanic sector

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, M.; SILVA R. As relações de gênero na confederação nacional de trabalhadores rurais (Contag). In ROCHA, Maria Isabel Baltar (org). Trabalho e Gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: editora 34, 2000. p. 347 – 367.

ALKIMIN. Maria Aparecida. Assedio moral na relação de trabalho. 2. Ed. Curitiba: Jurua, 2012.

ARAUJO. Adriane Reis de. O assedio moral organizacional. São Paulo: LTR, 2012.

BARROS, Ricardo Paes.; MENDONÇA, Rosana Silva Pinto de. Os determinantes da desigualdade no Brasil. Brasília: IPEA, 1995

BETIOL, M. I. S. Ser administradora é o feminino de ser administrador? XXIV Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Atibaia, SP, 2000. Anais, Atibaia, SP, 2000 (CD-ROM).

BOWLING, A; BRAZIER, J. Quality of life in social science and medicine – Introduction. Soc Sci Med 1995; 41:1337-8.

BRANCO, Adélia de Melo et al.; FILHO, Anísio Lopes de Andrade et al (Org.). Capacitação em gênero e gestão social: Programa de Ações Afirmativas. Brasília: MDA/INCRA, 2001.

BRITO, J. e OLIVEIRA, O. Divisão Sexual do Trabalho e Desigualdade nos Espaços de Trabalho. Rio de Janeiro. 1997.

LOBO, E. S.- A Classe Operária tem dois sexos. Edit. Brasiliense, São Paulo, 1991.

BRUSCHINI, Cristina. Gênero e trabalho no Brasil: novas conquistas ou permanência da discriminação? Campinas: ABEP, NEPO/UNICAMP, 2000.

BRUSCHINI, C. Inserçãofeminina no mercado de trabalho. Disponível em:

. Acesso em 25 abr.2012.

BRUSCHINI, C. LOMBARDI, M. R. A Bi-Polaridade do Trabalho Feminino no Brasil: O Emprego Doméstico e as “Novas” Ocupações. Mulher e Ocupação 1999.

COSTA, M.C.M. A gestão da segurança e saúde no trabalho: a experiência do arranjo produtivo local do setor metalmecânico da região paulista do grande abc. Dissertação (Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente) CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. São Paulo, 2006.

COMPARATO, Fabio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas,

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.3, p, 20-29 Mai./Jun. 1995

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.2, p.57-63, mar./abr. 1995.

HIRATA, H. Nova divisão sexual do trabalho: Um olhar voltado para a empresa e a sociedade.São Paulo: Boitempo, 2002.

KAPLAN, RM. Quality of life, resource allocation, and the U.S. Health-care crisis. In: DIMSDALE, JE.; BAUM A editors. Quality of life in behavioral medicine research. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates; 1995. p. 3-30.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. São Paulo: Prefeitura Municipal. Coordenadoria Especial da Mulher, 2003.

KON, Anita. A economia política do gênero: determinantes da divisão do trabalho. Revista de Economia Política, 2002.

LIDA, I. Ergonomia: Projeto e Produção. 8. ed. São Paulo: Edgard Blücher Ltda,

MEDEIROS, I.Y. Amamentação em mulheres que trabalham: o não trabalho no

trabalho. Disponível em: . Acesso em: 03 mai. 2009.

MORRIS, J.; PEREZ, D.; MCNOE, B. The use of quality of life data in clinical practice. Qual Life Res 1998; 7:85 - 91.

Rogerson RJ. Environmental and health-related quality of life: conceptual and methodological similariti s. Soc Sci Med 1995; 41:1373-82.

PAIVA, Marcos Guimarães. PPRA e PCMSO em serviços de saúde. Editora LTR, 2010.

RAMOS. Luiz Leandro Gomes. Assedio moral no trabalho: o abuso do poder diretivo do empregador e a responsabilidade civil pelos danos causados ao empregado. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2012.

ROMANELLI, Geraldo. Autoridade e poder na família. In: CARVALHO, Maria do Carmo Brant de (Org.).Cotidiano: conhecimento e crítica. São Paulo: Cortez, 1994.

SESI. Panorama em Segurança e Saúde no Trabalho (SST) na Indústria. Setor de Metalurgia Básica (CNAE 27) e Metal Mecânica (CNAE 28, 29, 34 E 35). Brasília, 2011.

SILVA, Americo Luiz Martins da. O dano moral e sua reparação civil. 1. Ed. São Paulo: Revistas dos tribunais, 1999.

VICENTE, Ana. As mulheres nos mundos de hoje. São Paulo: EDUSP, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.